01/20

01/20

02/20

02/20

03/20

03/20

04/20

04/20

05/20

05/20

06/20

06/20

07/20

07/20

08/20

08/20

09/20

09/20

10/20

10/20

11/20

11/20

12/20

12/20

13/20

13/20

14/20

14/20

15/20

15/20

16/20

16/20

17/20

17/20

18/20

18/20

19/20

19/20

20/20

20/20

 

Janelas para o Rio

 
O projeto Janelas para o Rio consiste nos estudos de Concepção dos Projetos de Arquitetura e Paisagismo para a implantação de Parques Ambientais nos municípios pernambucanos de São Caetano, Bezerros e Caruaru.

O projeto foi contratado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de Pernambuco, em decorrência do processo de seleção de consultores com base no acordo de Empréstimo entre o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Estado de Pernambuco. O trabalho é parte integrante do PSA IPOJUCA – Projeto de Saneamento Ambiental da Bacia do Rio Ipojuca, um dos mais poluídos do País.
A concepção dos três parques urbanos que margeiam o Rio Ipojuca tiveram como diretriz principal a educação ambiental, além da oferta de equipamentos de esporte e lazer.
Foram realizadas consultas públicas e oficinas técnicas que auxiliaram na elaboração das diretrizes de concepção dos parques na elaboração do programa de necessidades.
Os estudos de concepção elaborados foram os primeiros no contexto do Programa Janelas para o Rio, sendo que a experiência deverá ser replicada em ouros municípios ao longo do rio Ipojuca.
Neste sentido, buscou-se criar uma identidade para os parques Janelas para o Rio, percebida nos elementos comuns aos três projetos: áreas de esporte, áreas de lazer, estações ecológicas, sementeiras, trilhas e decks d emadeira voltados para o Rio Ipojuca. Os equipamentos propostos são de baixo impacto, condição necessária para um parque ambiental.

PARQUE DE SÃO CAETANO

As características físicas do terreno determinaram as principais diretrizes projetuais, assim como o programa de necessidades obtido nas consultas orientadas e oficina técnica.
Os usos apontados nas oficinas técnicas corresponderam à concepção de parque ambiental, como áreas de lazer, espaço para educação ambiental e prática de esportes. Desta forma foram propostos equipamentos como pista de caminhada, ciclovia, mirantes, quadras de esporte, e equipamentos como banheiros, lanchonetes, além de um espaço a ser destinado à administração do Parque, próximo a um pequeno estacionamento com cerca de 20 vagas.
Por se tratar de um parque ambiental, alguns equipamentos singulares foram implantados, como estações ecológicas destinadas e educação ambiental, sementeira e sala de aula e múltiplo uso para práticas de educação e conscientização.
O desenho e localização dos equipamentos possibilitam usos diversos e também a integração com programas municipais voltados ao lazer, esporte e cultura.
A acessibilidade universal foi contemplada em toda a área, assim como a facilidade de acesso aos equipamentos.
As construções propostas são moduladas, e possuem estrutura em aço, que permite sua montagem no local, causando baixo impacto ao terreno e também ao entorno imediato. São construções rápidas e limpas, podendo vir pré-fabricadas ao canteiro, necessitando de pouca manutenção.
Os caminhos que têm início no principal ponto de acesso ao Parque levam até as margens do Rio Ipojuca, onde está proposto um deck em madeira para contemplação do Rio.
Atualmente, a qualidade da água e a degradação ambiental do entorno não favorecem a relação dos usuários do Parque com o Rio Ipojuca, mas as ações previstas no PSA Ipojuca e no próprio Programa Janelas para o Rio devem melhorar as condições ambientais do corpo hídrico e do entorno, processo que deverá ser acompanhado pela população.

PARQUE DE BEZERROS

O terreno destinado para a implantação do parque ambiental de Bezerros possui algumas características singulares. Sua configuração é plana e linear, delimitada ao Norte pelo leito do Rio Ipojuca e ao Sul pela Rua Pedro Pereira, que conecta a área de expansão urbana, onde está localizado o terreno, com a área urbana consolidada do Município.
O terreno possui poucos exemplares vegetais de grande porte, e não apresenta resquícios de vegetação nativa. Suas margens estão descaracterizadas por processos ligados à atividade agrícola e pecuária durante décadas, e mais recentemente pelo pisoteamento de animais de porte, conduzidos para tomar água no Rio. Também foram percebidas atividades ilegais de extração de areia que deixaram grandes “barrancos” na margem do Rio.
As restrições ambientais do terreno tiveram de ser compatibilizadas e equilibradas com a demanda por equipamentos públicos dos moradores da região, principalmente considerando a consolidação de um loteamento de grande porte (considerando o porte do Município) que está sendo implementado na vizinhança do Parque.
Os usos apontados nas oficinas técnicas corresponderam à concepção de parque ambiental, como áreas de lazer, espaço para educação ambiental e prática de esportes.
Desta forma foram propostos equipamentos como pista de caminhada, ciclovia, mirantes, pista de skate, e equipamentos como banheiros, lanchonetes, sala de administração e um espaço solicitado pela Prefeitura para abrigar o órgão de meio ambiente do Executivo Municipal (indicado no projeto como “diretoria de meio ambiente”).
Por se tratar de um parque ambiental, de acordo com as diretrizes do PSA Ipojuca e do Programa Janelas para o Rio, foram previstos equipamentos para promover a educação e conscientização ambiental da população. São exemplos destes equipamentos as estações ecológicas destinadas à educação ambiental; a sementeira destinada à produção de muda e programas de educação ambiental; e a sala de aula de múltiplo uso, destinada a apresentações e realização de eventos que também podem ter caráter ambiental.
O desenho e localização dos equipamentos possibilitam usos diversos e também a integração com programas municipais voltados ao lazer, esporte, áreas sociais e também a práticas culturais, como realização de pequenas feiras de artesanato, de agricultura orgânica ou eventos gastronômicos de baixo impacto.
A acessibilidade universal foi contemplada em toda a área, assim como a facilidade de acesso aos equipamentos.
As construções propostas são moduladas, e possuem estrutura em aço, que permite sua montagem no local causando baixo impacto ao terreno e também ao entorno imediato. São construções rápidas e limpas, podendo vir pré-fabricadas ao canteiro, necessitando de pouca manutenção.

PARQUE DE CARUARU

A proposta consistiu na concepção de Parque Ambiental, com áreas de lazer, espaço para educação ambiental, prática de esportes e contemplação. Desta forma, foram propostos equipamentos como pista de caminhada, ciclovia, mirantes, palco e quadras de esporte, apoiados por equipamentos como banheiros e lanchonetes, além de um espaço a ser destinado à administração do Parque. Desta forma, alguns equipamentos singulares foram implantados, como estações ecológicas destinadas à educação ambiental, sementeira para produção de mudas e sala de aula de múltiplo uso para práticas de educação e conscientização.
As hortas comunitárias previstas no setor Norte do Parque reforçam o caráter ambiental do mesmo, e atendem uma demanda específica da escola vizinha.
O desenho e localização dos equipamentos possibilitam usos diversos, assim como a integração das atividades do Parque com programas municipais voltados ao lazer, esporte, cultura e outros. A acessibilidade universal foi contemplada em toda a área, assim como a facilidade de acesso aos equipamentos.
As construções propostas são moduladas, e possuem estrutura em aço, que permite sua montagem no local causando baixo impacto ao terreno e também ao entorno imediato. São construções rápidas e limpas, podendo vir pré-fabricadas ao canteiro, necessitando de pouca manutenção.
O parque se divide em dois grandes setores: o Setor de Preservação Ambiental (SPA) e o Setor de Equipamentos de Lazer (SEL). O SEL foi implantado, quando possível, fora da área de preservação permanente, onde foram projetados os equipamentos de esporte e lazer.
A integração das duas áreas do parque foi realizada com a inserção de uma passarela ou ponte de pedestres, que possibilita também a passagem de bicicletas, carrinhos de bebê e outros veículos sobre roda não motorizados.


Nome Janelas para o Rio | Municípios de São Caetano, Bezerros e Caruaru.


Cliente Governo de Pernambuco | APAC – Agência Pernambucana de Águas e Clima


Local Municípios de São Caetano, Bezerros e Caruaru/PE


Ano 2016


Status Projeto Executivo


Área 111.781 m²


Equipe Coordenação: Vertrag Planejamento Urbano: Luiz Henrique Fragomeni e Guilherme K. Fragomeni. Projeto Executivo: Fábio Domingos Batista, Igor Costa Spanger, Luciano Suski, Moacir Zancopé Junior, Suzanna de Geus, Karin Luciana Klassen, Simone R. N. Born e Rodolfo Luís Scuiciato