01/10

01/10

02/10

02/10

03/10

03/10

04/10

04/10

05/10

05/10

06/10

06/10

07/10

07/10

08/10

08/10

09/10

09/10

10/10

10/10

Anexo da Biblioteca Nacional – Rio de Janeiro

O edifício deve refletir seu uso, ser neutro e silencioso na paisagem urbana. Assim é a proposta para o Anexo da Biblioteca Nacional: um edifício neutro e silencioso, cuja materialidade reflete os condicionantes e as especificidades do complexo programa de necessidades deste novo anexo, que é guardião de parte significativa da memória nacional.

Implantado na antiga área portuária carioca, região que atualmente passa por uma nova urbanidade, o Anexo da Biblioteca Nacional ocupará um terreno com formas irregulares, local onde hoje existe um edifício com característica industriais e referências Art Deco.

A solidez da antiga construção contribuiu beneficamente para o uso proposto, porém sua rigidez formal dificulta a inserção de novos volumes construídos, tendo ainda como limitante a irregularidade formal do terreno.

O desafio deste projeto foi a ocupação das áreas disponíveis e sua integração com o edifício industrial. Optou-se por envelopar todo a construção, de forma a garantir unidade do conjunto, resultando em um volume sólido com o predomínio de cheios sobre vazios. Os grandes planos opacos ora são interrompidos por expressivas aberturas, amenizando a solidez do Anexo da Biblioteca Nacional.

VARANDAS E RECORTES EMOLDURAM A PAISAGEM CARIOCA

O projeto proposto apresenta uma solidez intencional, de forma a garantir a preservação do importante acervo da Biblioteca Nacional, pois sua guarda é a função principal do edifício. Esta solidez é casualmente interrompida por vazios que possibilitam uma discreta relação entre o edifício e seu entorno imediato, buscando assim espaços de transição e contemplação, remetendo à tradição construtiva, ao balcão e a varanda.

A varanda é uma tradição construtiva carioca, podendo ser encontrada nos alpendres da cidade colonial e nas modernas sacadas ou balcões dos novos edifícios residenciais. A varanda é a expansão da área privada e quando voltada para a rua é um espaço tênue entre o público e o privado, amenizando o rígido limite entre estes dois domínios. Da mesma forma que a varanda atenua a incidência direta do sol nas paredes da edificação, ela ameniza as relações urbanas, sendo espaço de transição e expansão, vigília e contemplação da bela paisagem carioca.

O edifício oferece a cidade discrição e neutralidade, opção projetual fruto da materialização dos condicionantes expressos no edital e termo de referência.

Por sua vez, a cidade oferece ao edifício as belas paisagem emolduradas pelos recortes provenientes dos vazios/varandas.

A cidade contém todo o edifício, por sua vez o edifício emoldura fragmentos da cidade.

MEMÓRIA, MODERNIDADE E NOVO USO

A abordagem da intervenção no edifício industrial destinado ao Anexo da Biblioteca Nacional teve como referência a reforma promovida pela instituição, que se encontra em andamento. Nesta abordagem, a sólida estrutura do antigo edifício é a principal característica que se adequa ao uso pretendido, sendo desta forma preservada. As demais características formais são secundárias, podendo sofrer alteração, visto que a edificação não possui valor histórico significativo.

A proposta projetual do Anexo da Biblioteca Nacional teve como diretriz a compreensão distinta do edifício externa e internamente.

Externamente o edifício caracteriza-se por uma volumetria única e os limites entre o antigo edifício industrial e as novas inserções não são claramente percebidas. Propõe-se um novo edifício para um entorno em processo de revitalização.

Internamente os limites entre a antiga construção e as novas inserções são mais claros. A estrutura existente possui vãos com ritmo marcado por muitos pilares pouco distantes entre si. Já as estruturas propostas nas inserções possuem maiores vão e espaços mais fluidos.


Nome Anexo da Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro


Cliente Biblioteca Nacional


Local Rio de Janeiro/RJ


Ano 2014


Status Concurso de Arquitetura


Área 7000 m²


Equipe Fábio Domingos Batista, Igor Costa Spanger, Luciano Suski, Moacir Zancopé Junior, Suzanna de Geus, Mariana Steiner Gusmão, Simone Regina Nhiemetz Born, Rodolfo Scuciato, Vitor Jun Takahashi


Prêmio Menção Honrosa em Concurso Público de Projetos de Arquitetura