01/07

01/07

02/07

02/07

03/07

03/07

04/07

04/07

05/07

05/07

06/07

06/07

07/07

07/07

 

A Arquitetura Italiana em Curitiba

 

Estudo resgata as influências arquitetônicas trazidas pelos imigrantes italianos às construções de Curitiba Fruto de extensa pesquisa realizada pelos arquitetos Ana Carolina Mazzarotto e Fábio Domingos Batista, o livro A arquitetura Italiana em Curitiba traz como tema principal as edificações realizadas pelos imigrantes italianos na região de Curitiba, entre o período de 1870 a 1930. O inventário dessa arquitetura pesquisada tem como objetivo principal preservar a memória construtiva curitibana, além de resgatara paisagem de uma cidade em um período de transformação ainda com fortes características rurais.
Abordando temas como imigração, cultura construtiva e arquitetura, após ampla pesquisa histórica e bibliográfica os autores dividiram o trabalho de execução e produção do livro em três etapas. Na primeira foram analisados os remanescentes da arquitetura do imigrante italiano em Curitiba, especificamente a arquitetura residencial e arquitetura sacra. Também foi pesquisado o Panteão do Cemitério de Santa Felicidade, devido a sua singularidade.

Para a segunda etapa, os autores realizaram estudos na Itália com o objetivo de buscar as referências construtivas existentes no período da emigração. Foi realizado um levantamento na Região do Vêneto, nas cidades de origem da grande maioria dos imigrantes que se fixaram em Curitiba. Este estudo possibilitou a análise comparativa entre a arquitetura produzida na Itália e a arquitetura do imigrante italiano em terras curitibanas, que foi realizado durante a terceira etapa.
O livro proporciona uma visão técnica sobre a produção arquitetônica destes imigrantes e possibilita ao leitor um passeio por uma Curitiba do passado, ainda com traços rurais e com uma população estrangeira em processo de assimilação. Os poucos remanescentes desta ocupação estão hoje presentes em alguns bairros da cidade. São em sua maioria velhos casarões de tijolos, construídos ao longo das antigas estradas rurais. E também igrejas com altas torres sineiras, destacadas do edifício sacro, construídas ao modo vêneto e seguindo a tradição ancestral.

Prêmios 2° lugar na edição 2013 do Prêmio Design do Museu da Casa Brasileira, na categoria trabalhos escritos publicados.